Archive for Santa Felicidade

CONFIRA OS TRECHOS DE SANTA FELICIDADE QUE FICARÃO SEM LUZ EM SETEMBRO

Os moradores de Santa Felicidade e região vão ter de encarar vários momentos sem luz ao longo do mês de setembro. A razão é a obra de revitalização da Avenida Manoel Ribas feita pela prefeitura de Curitiba, que faz com que a Copel tenha de fazer a realocação de diversos postes durante as próximas semanas, o que vai afetar a distribuição de energia elétrica em vários pontos.

Segundo a companhia, esses desligamentos programados vão acontecer em pontos específicos à medida que a própria obra avança. A previsão é de que a interrupção no fornecimento seja de algumas horas e atinja, em média, cerca de 200 unidades consumidores por vez. Está prevista ainda uma segunda fase de operações, mas ainda não há informações de quando e nem como ela será feita.

A empresa de energia destaca ainda que a interrupção no fornecimento de energia acontece em dias de semana a partir de uma decisão da própria comunidade. Como o bairro de Santa Felicidade é um dos pontos turísticos da cidade por causa de seus restaurantes, os moradores da região decidiram que seria melhor ficar sem luz em dias que não prejudicassem os turistas que visitam o local.

Para esta primeira etapa, a Copel já disponibilizou os trechos que serão afetados em cada desligamento. Confira :

31 de agosto e 13 de setembro ambas das 9h às 16h

Av. Manoel Ribas entre as ruas Antônio Stival e Domingos Strapasson.

05 e 19 de setembro das 9h às 16h

Av. Manoel Ribas entre as ruas Ângelo Mazzarotto Ângelo Stival

06 e 20 de setembro das 9h às 16h

Av.Manoel Ribas entre Gerônimo Muraro e Travessa Mariana

 

SANTA FELICIDADE PROMOVE A TRADICIONAL 15ª CORRIDA DE GARÇONS

Curitiba sedia, na próxima segunda-feira (14), a 15ª Corrida dos Garçons. O evento será realizado em Santa Felicidade, com a largada na frente do restaurante Casa dos Arcos, na Avenida Manoel Ribas, às 9:00 horas. A organização do evento promete divertir os expectadores, com sorteio de brindes e clima de festa.

Cerca de 350 garçons e garçonetes se inscreveram para participar da prova e terão que percorrer o trajeto de 400 m equilibrando bandejas. Os participantes estarão divididos em quatro categorias: mulheres, idosos, jovens e adultos. Após a prova, os inscritos poderão usufruir de um almoço.

A Corrida dos Garçons irá premiar o primeiro colocado com R$ 400 e 30 litros de chopp. O segundo lugar terá a bonificação de R$ 300 e o terceiro colocado receberá R$ 200.

NOVO VIADUTO DO ORLEANS TRARÁ FLUIDEZ PARA SANTA FELICIDADE

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca disse em reunião com o IPPUC : “Apresentamos a solução para o tráfego na região do São Braz, com acesso a Santa Felicidade e Orleans sem que haja interrupções nos deslocamentos da BR-277 e sem a necessidade de desapropriações no entorno. O novo viaduto é um sonho antigo da população em resolver o problema de comunicação entre os dois lados da rodovia. Além disso, o viaduto existente, que já teve a vida útil superada pela quantidade de fluxo de veículos, passará a atender a travessia de pedestres e ciclistas, com a possibilidade de receber feiras da Prefeitura.”

O desenho do novo Viaduto do Orleans, proposto pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), apresenta uma solução para o tráfego na região sem que haja interrupções nos deslocamentos por sobre a BR-277 e sem a necessidade de desapropriações no entorno.

“O estudo contempla um sonho antigo da população que é resolver o problema de comunicação entre os dois lados da rodovia. É uma proposta validada como prioridade pelo prefeito Rafael Greca”, afirma o presidente do Ippuc, Reginaldo Reinert.

O viaduto existente é principal ligação viária entre os bairros Santa Felicidade e São Braz. Passam por ali 3 mil veículos por hora no pico fazendo a ligação pela Avenida Toaldo Túlio com o Orleans e seguindo ao Campo Comprido pela Rua João Falarz.

Segundo o autor da proposta, arquiteto Fabiano Losso, da Coordenação de Transporte do setor de Circulação Viária do Ippuc, a solução contempla a construção de duas novas transposições configurando a travessia como uma espécie de rótula estendida. “A obra permitirá que todos os movimentos de passagem e conversão sejam realizados, sem que haja cruzamentos com semáforos, principalmente para as conversões de acesso à BR-277”, explica.

Além disso, de acordo com o arquiteto, não haverá a necessidade de desapropriações, o que significa a possibilidade de menor custo e maior agilidade no processo de implantação da obra.

Com a rótula estendida, o espaço de aproximação entre os veículos nas pistas será maior, o que permitirá a acomodação dos movimentos de tráfego sem engarrafamentos. “Pelo entrelaçamento proposto para as vias, o motorista consegue definir para onde quer ir sem a necessidade da existência de um semáforo para organizar os múltiplos movimentos”, observa Losso.

Outro ganho no desenho proposto é que o viaduto existente, que já teve a vida útil superada pela quantidade de fluxo de veículos, passará a atender a travessia de pedestres e ciclistas, com a possibilidade de receber feiras da Prefeitura.

Outros cenários

A proposta apresentada foi considerada a mais viável por dispensar desapropriações e por garantir a segurança na transposição da BR-277, sem interrupções no tráfego.

Antes da solução escolhida, outros estudos foram feitos na busca de soluções para a melhoria do trânsito e a segurança de pedestres ciclistas e demais usuários do Viaduto do Orleans. Foram quatro os cenários estudados anteriormente:

– duplicação do viaduto com implantação de binário;

– ampliação do viaduto;

– inversão de fluxos no viaduto com um semáforo

– inversão de sentidos e alteração de circulação do tráfego no entorno.

Prazos

Os próximos passos para a viabilização da obra do novo viaduto do Orleans são os cálculos dos custos para a contratação dos projetos executivos e a abertura de licitação para a contratação desses projetos. Depois será necessário licitar a obra.

“Para cada processo licitatório o tempo médio é de três meses. Seriam seis meses, no mínimo, para provisionar recursos e licitar os projetos e a obra”, observa Reinert.

SÓ DOIS BAIRROS EM CURITIBA NÃO TEM VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, UM DELES DA REGIONAL SANTA FELICIDADE

No dia em que a Lei Maria da Penha (Lei Nº 11.340, de 2006) completa 11 anos em vigor, Curitiba tem poucos motivos para comemorar. Segundo dados do Ministério Público do Paraná (MP-PR), entre junho de 2014 e o mesmo mês de 2015 foram registrados um total de 2.867 casos na cidade, o equivalente a uma média de oito casos por dia, ou ainda um registro a cada três horas.
No comparativo o primeiro semestre de 2015 com o 2º semestre de 2014, nota-se uma redução de 44,7% no número de casos, que passaram de 1.846 para 1.021. Contudo ainda é precoce para e falar em redução de ocorrências. De acordo com a promotora de Justiça Mariana Seifert Bazzo, coordenadora do Núcleo de Promoção da Igualdade de Gênero do MP-PR, os dados de 2015 podem vir a aumentar diante da possibilidade de existirem casos ainda não informados à Justiça e que permanecem apenas no âmbito da polícia.
De toda a forma, chama a atenção o fato de 97% dos 75 bairros da cidade terem registrado ocorrência no período analisado. As únicas exceções foram os bairros Lamenha Pequena, da regional de Santa Felicidade, e Riviera, da regional CIC. Por outro lado, os bairros CIC (293), Sítio Cercado (232), Cajuru (215), Tatuquara (118) e Uberaba foram os que tiveram maior número de registros.
Quando consideradas as regionais da cidade – espécies de subprefeituras, encarregadas dos bairros de cada uma das dez regiões em que Curitiba está subdividida administrativamente -, as três que tiveram maior índice de ocorrência para cada 100 mil habitantes foram as do Tatuquara (216 registros por 100 mil habitantes), Bairro Novo (208), CIC (179), Cajuru (174) e Boa Vista (173).
Com relação ao tipo de vínculo mantido entre a vítima e o suspeito, em quase metade dos casos (48,4%) o agressor era cônjuge ou companheiro; em 27,8%, ex-cônjuge ou ex-companheiro da vítima; em 9,4%, namorado; e em 3,7%, filho da vítima.

Mozzilli sem Censura - Campo magro & Santa Felicidade